Trudeau nega ação política em prisão de diretora da Huawei

Meng Wanzhou foi detida a pedidos dos Estados Unidos enquanto fazia uma conexão aérea em Vancouver, no Canadá, no último sábado (1°). Governo chinês exige que Estados Unidos e Canadá esclareçam a prisão da diretora da Huawei
O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, garantiu nesta quinta-feira (6) que não houve “intervenção política” na detenção da diretora financeira do grupo chinês de telecomunicações Huawei, Meng Wanzhou. Ela foi presa em Vancouver no sábado (1°).
“Fomos avisados do procedimento judicial alguns dias antes da detenção”, declarou Trudeau sobre a prisão, a pedido dos Estados Unidos, de Meng Wanzhou. “Não houve intervenção política nesta decisão, já que respeitamos a independência do Poder Judiciário”.
Huawei: por que a gigante chinesa virou alvo de vários países e teve executiva presa no Canadá
China pede explicações a EUA e Canadá sobre prisão
A diretora financeira e filha do fundador do grupo Huawei deverá comparecer diante de um juiz nesta sexta-feira (7), para uma audiência que irá estabelecer uma fiança.
Huawei, uma das maiores fornecedoras do planeta de equipamentos de telecomunicações e a segunda maior fabricante de smartphones, tem sido alvo de um rigoroso controle nos Estados Unidos, onde funcionários de segurança nacional apontam seus vínculos com o governo chinês na área de Inteligência.
A detenção de Meng Wanzhou ocorre após Estados Unidos e China acertarem uma trégua na guerra comercial entre os dois países, durante um encontro entre os presidentes Donald Trump e Xi Jinping, na Cúpula do G20 em Buenos Aires.