Países do G24 pedem às grandes economias que parem com guerra comercial

Comunicado do grupo afirma que todos os mercados emergentes foram ‘afetados negativamente’ pela volatilidade excessiva do fluxo de capital. Ministros das Finanças de países em desenvolvimento do grupo de 24 nações cujas economias têm sido afetadas pela agitação dos mercados pediram às principais economias nesta quinta-feira (11) que reformem o sistema comercial global, em vez de descartá-lo.
Os mercados emergentes têm sofrido com saídas de capital, pressionando suas moedas e elevando os custos de empréstimos conforme investidores evitam ativos de risco devido à intensificação das tensões comerciais entre EUA e China e ao aumento da taxa de juros nos Estados Unidos.
O G24 reúne países em desenvolvimento e emergentes, incluindo o Brasil.
O comunicado do G24 divulgado durante as reuniões do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial afirma que todos os mercados emergentes foram “afetados negativamente” pela volatilidade excessiva do fluxo de capital.
“As incertezas comerciais e as condições financeiras e monetárias constituem crescentes vulnerabiliades à dívida. A melhora da sustentabilidade da dívida depende de um ambiente externo de comércio e financeiro melhor, financiamento contingencial oportuno e o fluxo adequado de financiamento concessional para países de baixa renda”, disseram os ministros do G24 no comunicado.
“Pedimos às principais potências que reformem e reforcem em vez de descartarem o sistema comercial global baseado em regras.”
O G24 também pediu ações do FMI e do Banco Mundial para ajudar a aumentar a capacidade para gerenciamento fiscal e da dívida em países de baixa renda, onde a dívida como proporção do PIB subiu de 33% para 47% nos últimos cinco anos.