Greve de pilotos da Ryanair na Europa afeta milhares de passageiros


Mobilização dos pilotos, que exigem melhores condições de trabalho, acontece no período de férias de verão e afeta Alemanha, Bélgica, Suécia, Irlanda e Holanda. Aviões da Ryanair no aeroporto de Weeze, na Alemanha
Wolfgang Rattay/Reuters
Uma greve de pilotos da Ryanair começou nesta sexta-feira (10) em vários países europeus, obrigando que a companhia aérea irlandesa de baixo custo cancelasse centenas de voos, afetando milhares de passageiros.
Os pilotos da Ryanair na Alemanha, Bélgica, Suécia e Irlanda realizam uma greve de 24 horas em protesto pelo impasse na negociação de salários e condições de trabalho, forçando a companhia a cancelar quase 400 voos dos 2,4 mil previstos para hoje.
A mobilização dos pilotos, que exigem melhores condições de trabalho, acontece no período de férias de verão e afeta Alemanha, Bélgica, Suécia, Irlanda e Holanda. Em toda a Europa, cerca de 55 mil passageiros deverão se afetados, quase 42 mil deles na Alemanha, onde 250 voos serão cancelados.
Em entrevista à emissora “N-TV”, o principal negociador do sindicato de pilotos Vereinigung Cockpit (VC), Ingolf Schumacher, disse que a intenção não é atacar o modelo de negócios da Ryanair, mas sim que a companhia aérea “leve em conta as reivindicações dos funcionários”.
Ele falou de “posições conflitantes” e da necessidade de encontrar uma maneira de manter “conversas construtivas”.
Além disso, afirmou que a mensagem que querem transmitir para a empresa com esta greve é que a “Ryanair must change” (Ryanair tem que mudar) e que a companhia aérea deve repensar o tratamento de seus empregados.
Os pilotos reivindicam melhores condições de trabalho e aumento de salário.
Os aeroportos de Frankfurt, Berlim e Weeze, no estado federado de Renânia do Norte-Vestfália são as principais bases da Ryanair na Alemanha, embora não sejam os únicos pontos afetados. EFE