Brasil deve ter menor safra de soja em 3 anos, diz AgRural


Expectativa da consultoria é de que a produção totalize 112,5 milhões de toneladas, um corte de quase 4% em relação à ultima previsão. Se previsão da AgRural se confirmar, safra de soja ficará 5,7% abaixo do recorde de 119,3 milhões de toneladas do ciclo 2017/18
Agência Estadual de Notícias/Reprodução
A safra de soja 2018/19 do Brasil, em colheita avançada, deverá totalizar 112,5 milhões de toneladas, projetou a AgRural nesta segunda-feira (11), em um corte de quase 4% ante a previsão do mês passado. A cultura ainda sente as condições climáticas desfavoráveis durante a fase de desenvolvimento, segundo a consultoria.
Caso a expectativa se confirme, o volume será o menor em três anos e ficará 5,7% abaixo do recorde de 119,3 milhões de toneladas de 2017/18. Também será cerca de 10 milhões de toneladas inferior ao que diversas consultorias e entidades projetaram em uma recente pesquisa da Reuters.
Em dezembro, calor e chuvas abaixo da média prejudicaram principalmeente as plantações de Paraná, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, segundo a consultoria.
“Desta vez, todos os estados produtores tiveram cortes, com exceção de Rio Grande do Sul, Pará e Rondônia. Em relação ao ano passado, os Estados com as maiores perdas de produção são Paraná e Mato Grosso do Sul”, afirmou a AgRural em boletim, referindo-se ao tempo ruim também em janeiro.
“Embora o Rio Grande do Sul tenha boas lavouras até o momento, as condições climáticas de fevereiro são decisivas para a produtividade gaúcha. As chuvas e as temperaturas de fevereiro também são importantes para a produtividade do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), região que já registra perdas devido às condições desfavoráveis de janeiro”, alertou a AgRural.
A divulgação dos dados ocorre um dia antes de a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que em janeiro já cortou suas estimativas, soltar novas previsões para a safra do maior exportador mundial da oleaginosa.
Colheita
Segundo a consultoria, 26% da área cultivada com soja no Brasil havia sido colhida até a última quinta-feira, avanço de sete pontos percentuais na semana. Os trabalhos em 2018/19 estão bem acelerados ante os 10% de um ano atrás e os 12% na média de cinco anos.
“A colheita acelerada –puxada por Mato Grosso (57%), Paraná (30%) e Goiás (30%) — é resultado de um plantio antecipado e rápido e do encurtamento do ciclo das lavouras em algumas áreas devido ao tempo quente e seco”, explicou a consultoria.