Aumentam flagrantes de motoristas inabilitados em Juiz de Fora


No primeiro trimestre, foram 382 flagrantes contra 317 no ano passado. PM destaca riscos de motoristas sem formação adequada nas ruas. Aumenta número de motoristas inabilitados em Juiz de Fora
A Polícia Militar (PM) registrou 382 flagrantes de motoristas inabilitados nas ruas de Juiz de Fora nos três primeiros meses de 2018. No mesmo período em 2017, foram 317. Houve aumento também no envolvimento de motoristas sem carteira em acidentes: 35 presos neste ano contra 30 anopassado.
De acordo com o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Juiz de fora tem uma frota de 262.189 veículos e o número de flagrantes de inabilitados é considerado alto pelo comandante do pelotão de trânsito, tenente Décio Vernay.
“A gente vê que é um número grande de pessoas que estão nas ruas e assumem este risco de estar no trânsito urbano. Eles podem cometer várias infrações e acidentes e contribuindo com mortes de certas formas desnecessárias à nossa comunidade”, analisou.
Segundo o Código Nacional de Trânsito, dirigir sem habilitação é crime. Quem é flagrado dirigindo sem habilitação é multado em R$ 880,41 e o veículo pode ser apreendido. E entregar o veículo a pessoa não habilitada leva à autuação e a responsabilização do dono do carro.
“Essa pessoa vai ser penalizada primeiramente com a multa de trânsito no valor de R$ 880,41 e também vai responder criminalmente pela entrega do veículo. Então é interessante que a pessoa que empresta o veiculo sabendo que a pessoa é inabilitada ela também está cometendo uma infração de trânsito”, analisou tenente Vernay.
A corporação reforça a necessidade de passar por todos os exames para a obtenção da carteira nacional de habilitação (CNH). Além das aulas teóricas e práticas, os estabelecimentos oferecem a chance de treinar em simuladores, o que melhora a formação do futuro aluno.
Formação adequada
Para tirar a carteira de habilitação é preciso se matricular numa autoescola, passar por exame médico, psicotécnico, fazer 45 aulas teóricas e depois 20 aulas práticas. As aulas no simulador também são obrigatórias antes de fazer as aulas de rua.
“O simulador dá essa grande ajuda, é banco, retrovisor, cinto, manejar marcha. Aproveitando que está em um simulador, pode errar à vontade. Quando ele vem pra rua, já tem uma grande noção, aí sim ele vai sair bem na prática”, analisou o proprietário da autoescola, Sebastião Luiz de Souza.
A gerente de recursos humanos da empresa, Luana Maria de Souza, acredita que aulas no simulador vão dar mais segurança pra ela na hora das aulas de rua. “A gente encara tudo que vai ver lá fora, chuva, noite, consegue ver uma situação mais real e já prepara o condutor melhor para ir lá fora pegar o carro com menos medo”, destacou.
O estudante Matheus Polesca, de 18 anos, já tem carro. Agora a prioridade é aprender as regras do trânsito e garantir a habilitação. “Se você não fizer da maneira certa, vai acabar trazendo prejuízo não apenas para você, mas para as outras pessoas que estão no trânsito”, lembrou.
Número de infrações de trânsito com motoristas inabilitados aumentam em Juiz de Fora
Reprodução/TV Integração